09/01/2014

Capitulo 20 (Faltam 4)

No fim das contas, não optei por ficar escondida no quarto. Em vez disso, escolhi o Salão das Mulheres. Geralmente, eu passava o dia entrando e saindo de lá, em passeios com Miley ou visitas às criadas no quarto. Mas passei a usar o Salão das Mulheres como uma caverna. Nenhum homem, nem mesmo os guardas, tinha autorização para entrar lá sem ordem expressa da rainha. Era perfeito.
Bem, funcionou perfeitamente por três dias. Com tantas garotas no palácio, era questão de tempo até uma delas fazer aniversário. E o de Selena era na quinta-feira. Ela deve ter comentado o fato com Joseph — que nunca deixava escapar a chance de presentear alguém —, e o resultado foi uma festa obrigatória para todas as Selecionadas. Assim, quinta-feira foi um dia de correria louca por parte das meninas, que entravam e saíam umas dos quartos das outras, perguntando o que vestir ou imaginando o tamanho da festa.
Aparentemente, não era preciso levar presente, mas mesmo assim preparei algo para a aniversariante.
No dia da festa, pus um dos meus vestidos favoritos e peguei o violino. Caminhei na ponta dos pés até o Grande Salão, olhando para os lados em cada corredor. Assim que cheguei, corri os olhos pelos guardas em sentinela. Por sorte Nicholas não estava presente, e restou-me apenas achar graça naquela quantidade enorme de homens uniformizados. Será que eles esperavam uma rebelião ou algo do gênero?
O Grande Salão estava ricamente decorado. Vasos especiais pendurados nas paredes portavam enormes arranjos com flores amarelas e brancas, que também enfeitavam os vasos espalhados pelo chão. Janelas, paredes e praticamente tudo o que não era móvel estava envolto em guirlandas. Havia um punhado de mesas preparadas e cobertas com toalhas, nas quais cintilavam pequenas contas de confete brilhante. Arcos decorativos ornavam as costas das cadeiras.
Em um dos cantos, um bolo gigante com as cores do salão esperava para ser cortado. Do lado, uma pequena mesa com alguns presentes para a aniversariante.
Um quarteto de cordas dominava uma das paredes e tornava inútil minha tentativa de presente para Selena. Havia ainda um fotógrafo que circulava pelo salão captando momentos para o público.
O clima era de descontração. Tiny — que até então só havia conseguido se aproximar de Miley — conversava com Emmica e Jenna; nunca a tinha visto tão animada. Miley estava parada em frente a uma das janelas, como se fosse um dos muitos guardas que pontilhavam as paredes. Não fazia a menor questão de sair de lá, mas parava qualquer um que se aproximasse para conversar. Todo mundo parecia feliz e amigável.
As exceções eram Celeste e Bariel. Elas geralmente eram inseparáveis, mas ocupavam extremos opostos do salão. Bariel conversava com Samantha e Celeste estava sentada a uma das mesas, sozinha e agarrada a uma taça com um líquido vermelho. Eu com certeza tinha perdido alguma coisa entre o jantar da noite anterior e aquela tarde.
Peguei de novo o estojo do violino e me dirigi ao fundo do salão para cumprimentar Miley.
— Oi. Que festa, não? — comentei, deixando o violino no chão.
— Pois é — disse Miley, e me abraçou. — Ouvi dizer que Joseph passará aqui mais tarde para desejar pessoalmente feliz aniversário a Selena. Não é lindo? Aposto que ele vai trazer um presente também.
Miley agia com o entusiasmo de sempre. Eu ainda me perguntava qual seria seu segredo, mas confiava o bastante nela para saber que tocaria no assunto quando precisasse desabafar. Ficamos de conversa fiada por alguns minutos até ouvir um clamor coletivo na porta de entrada do salão.
Nós nos viramos para ver, e enquanto ela permaneceu calma, perdi totalmente o fôlego.
Selena tinha escolhido seu vestido de uma maneira incrivelmente estratégica. Lá estávamos nós, todas com roupas para o dia — vestidos curtos e bonitinhos —, ao passo que ela entrava com um vestido longo de gala. Mas o comprimento era o de menos. O chamativo era a cor, um creme muito próximo do branco. Seu cabelo estava arrumado com uma fileira de joias amarelas que ia de um lado ao outro da testa, sugerindo uma coroa. Selena parecia madura, nobre e esponsal.
Apesar de eu não saber ao certo onde meu coração estava, senti uma pontada de inveja. Nenhuma de nós teria um momento parecido. Não importava quantas festas ou recepções surgissem dali para a frente: seria ridículo tentar imitar Selena. Reparei que a mão de Celeste — a que não estava agarrada à taça — fechou-se, pronta para socar alguém.
— Ela está linda mesmo — comentou Miley, animada.
— Mais do que linda — completei.
A festa continuou, e Miley e eu passamos a maior parte do tempo observando o movimento. Para nossa surpresa — e desconfiança — Celeste grudou em Selena e não parou de falar enquanto a aniversariante circulava pelo salão para agradecer a presença de todas, embora na verdade não tivéssemos escolha.
Ela chegou ao fundo do salão, onde Miley e eu estávamos, absorvendo a luz quentinha do sol que atravessava a janela. Miley, com seu jeito de sempre, deu um abraço entusiasmado em Selena.
— Feliz aniversário! — gritou.
— Obrigada! — respondeu Selena, com o mesmo entusiasmo e afeto que tinha recebido.
— Então, dezenove anos hoje, certo? — perguntou Miley.
— Sim. Não consigo imaginar uma maneira melhor de comemorar. Estou tão feliz por estarem fotografando. Minha mãe vai adorar! Ainda que sejamos bem de vida, nunca tivemos dinheiro para fazer algo assim. É tudo tão lindo! — exclamou Selena.
Selena era Quatro, como Miley. Elas não tinham uma vida tão apertada como a minha, mas acho que qualquer coisa daquela proporção seria difícil de acontecer.
— É impressionante mesmo — comentou Celeste. — No meu aniversário do ano passado, fiz uma festa do preto e branco. Um pouquinho só de cor e você não poderia nem passar na porta.
— Uau — Miley falou em voz baixa diante daquele óbvio sinal de inveja entre mundinhos fechados.
— Foi fantástico. Chefs de cozinha, iluminação teatral e música! Kelly Clarkson pegou um avião só para ir à festa. Vocês já devem ter ouvido falar dela.
Era impossível não saber quem era Kelly Clarkson. Ela tinha pelo menos umas dez músicas de sucesso. Às vezes assistíamos seus clipes na televisão, apesar das reclamações da minha mãe, que pensava que tínhamos muito mais talento que gente como Kelly. O fato de essa cantora ter dinheiro e fama e nós não, embora fizéssemos essencialmente a mesma coisa, mexia com os nervos dela.
— Ela é minha cantora preferida! — exclamou Selena.
— Bem, Kelly é uma amiga querida da minha família, por isso cantou na minha festa. Vocês sabem, não podíamos contratar um grupo da Cinco para sugar toda a vida do lugar.
Miley me olhou rapidamente pelo canto do olho. Deu para notar que estava constrangida por mim.
— Ops — acrescentou Celeste, olhando para mim. — Esqueci. Sem ofensas.
Sua voz melosa era irritante. Mais uma vez eu me senti tentada a bater nela... Era melhor nem pensar muito no assunto.
— Não foi nada — respondi, mantendo as aparências o máximo que pude. — E o que você faz exatamente na Dois, Celeste? Quer dizer, nunca ouvi uma música sua no rádio.
— Sou modelo — ela afirmou, com um tom de voz que dava a entender que eu já devia saber disso. — Você nunca me viu em um anúncio?
— Nunca tive o prazer.
— Ah, sim, você é da Cinco. Acho que não pode mesmo comprar revistas.
Aquilo doeu. Porque era verdade. Maddie adorava espiar as revistas quando encontrávamos em alguma loja. Só que não havia o menor sentido em comprá-las.
Selena retomou seu papel de anfitriã e mudou de assunto:
— Sabe, Demetria, eu estava para perguntar qual era a sua área quando você era Cinco.
— Música.
— Você devia tocar para a gente algum dia!
— Na verdade — comecei com um suspiro —, trouxe meu violino para tocar para você hoje. Achei que seria um bom presente, mas já tem um quarteto, então acho que...
— Ah, toque para a gente! — implorou Miley.
— Por favor, Demetria. É meu aniversário — reforçou Selena.
— Mas você já tem um...
Meus protestos não importavam. Selena e Miley já haviam pedido que o quarteto parasse e chamaram todas as garotas para o fundo do salão. Algumas levantaram as saias e se sentaram no chão, ao passo que outras puxaram algumas cadeiras do canto. Selena ficou em pé no meio do grupo, apertando as mãos de entusiasmo. Celeste permaneceu ao seu lado, com a taça de cristal na mão ainda pela metade.
Assim que todas ficaram confortáveis, preparei o violino. O quarteto de jovens que tinha tocado se aproximou para me apoiar, e os poucos garçons que perambulavam pelo salão pararam.
Respirei fundo e levei o violino ao queixo.
— Para você — falei com os olhos em Selena.
Mantive o arco suspenso sobre as cordas por alguns segundos, fechei os olhos e deixei a música fluir.
Por um momento, não houve Celeste perversa, nem Nicholas à espreita nos corredores, nem rebeldes tentando invadir o palácio. Houve apenas uma nota perfeita se prolongando até a seguinte, como que receosa de se perder no tempo sem a outra. Mas elas não ficavam juntas. Pairavam até as outras. E o presente que seria de Selena tornou-se meu.
Eu podia ser uma Cinco, mas tinha valor.
Toquei a música — tão familiar quanto a voz de meu pai ou o cheiro do meu quarto — por uns breves e belos instantes, para depois deixá-la atingir seu fim inevitável. Passei o arco sobre as cordas pela última vez e o levantei.
Abri os olhos para verificar se Selena tinha gostado do presente, mas nem vi seu rosto. Atrás do grupo de meninas estava Joseph. Ele vestia um terno cinza e carregava uma caixa sob o braço. As garotas aplaudiam com muita gentileza, mas não pude prestar atenção no som de suas palmas. Só conseguia focar Joseph, com uma expressão bela e maravilhada, que logo se converteu em um sorriso. Um sorriso para mim e mais ninguém.
— Majestade — eu disse, com uma reverência.
As outras garotas se levantaram para cumprimentar Joseph. Em meio a tudo isso, ouvi um grito chocado.
— Ah, não! Selena, eu sinto muito!
Algumas meninas arregalaram os olhos na mesma direção. Quando Selena se virou, percebi o motivo. A frente de seu belo vestido tinha sido manchada pela bebida de Celeste. Ela parecia ter sido esfaqueada.
— Desculpe-me, virei muito rápido. Não tive a intenção, Selena. Deixe-me ajudá-la.
Um estranho talvez achasse que as palavras de Celeste soavam sinceras, mas eu podia enxergar por trás delas.
Selena levou as mãos à boca, começou a chorar e saiu em disparada para o quarto, pondo fim à festa. Joseph saiu atrás dela, embora eu quisesse muito que ele ficasse.
Celeste se defendia para quem estivesse disposto a ouvir, dizendo que tudo não tinha passado de um acidente. Tuesday concordava, dizendo ter testemunhado a cena. Os olhares entediados e o sacudir de ombros da maioria, porém, mostravam que o apoio era inútil.
Guardei discretamente meu violino e comecei a sair, quando Miley
me agarrou pelo braço:
— Alguém precisa fazer alguma coisa com ela.
Se Celeste podia levar alguém tão adorável como Anna à violência, ou achar aceitável tentar tomar meu vestido, ou ainda fazer uma pessoa bondosa como Miley chegar à beira do ódio, significava que ela estava sobrando na Seleção.
Eu tinha que livrar o palácio daquela menina.

3 comentários:

  1. OMG..
    Lindo demais..
    Imaginei a Demi tocando. Tenho uma leve queda por violinos..hahaha
    Acho tão magico..
    Posta Logooo
    Beijo
    s2

    ResponderExcluir
  2. A cada capitulo eu amo mais sua fic.
    Por favor posta logo

    ResponderExcluir
  3. A cada capitulo eu amo mais sua fic.
    Por favor posta logo

    ResponderExcluir

Envie seu comentario e ganhe um biscoito!